sábado, outubro 15

Abraão, a Esperança do Pai da Fé - Trimestre: 4° de 2016 – CPAD

Abraão, a Esperança do Pai da Fé
Lição 3 - Trimestre: 4° de 2016 – CPAD
1ª Parte
Estudo Pr. Osvarela
TEXTO ÁUREO
“Pela fé Abraão, sendo chamado, obedeceu, indo para um lugar que havia de receber por herança; e saiu, sem saber para onde ia.” Hebreus 11.8
Texto Bíblico - Leitura Em Classe
Gênesis 12:1-10
Ora, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei.
E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.
E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.
Assim partiu Abrão como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã.
E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã.
Obs.: Ou seja, os prosélitos que tinham feito, e convenceu a adorar o Deus verdadeiro, e ir com eles para Canaã, as almas que (como um dos rabinos que expressou) tinham reunidas sob as asas da Majestade divina. A mensagem já fora propagada, sob o anuncio de que Deus seria o provedor de todos. Um exemplo do que tem Fé: Evangelizou a outros.
E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra.
E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera.
E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor.
Depois caminhou Abrão dali, seguindo ainda para o lado do sul.
E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra.
Texto Bíblico – Apoio
Romanos 4:9-18
A Base da Provisão é a obediência, que promove a Justificação, pois o que obedece é absolvido da incredulidade e se torna filho de Deus, o qual proverá a seus filhos toda necessidade advinda do viver do homem: físicas; emocionais (da alma);espirituais (do espírito de vida, interior ao homem); social (relacionamentos); econômicos - financeiros (subsistência e trabalho); religiosos (cultícos e adorativos), que nos faz ter altares ao Deus Eterno em nossa vida diária, através da filiação em Cristo Jesus Mateus 6.
Oração da Provisão
“...orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome;Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu;
O pão nosso de cada dia nos dá hoje;
E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores;
E não nos conduzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém. Mateus 6:9-13
Corroborado pelo dito de Jesus
 “Não pergunteis, pois, que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. Porque as nações do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que precisais delas.” Lucas 12:29,30
Porque dizemos que a fé foi imputada como justiça a Abraão?
Como lhe foi, pois, imputada? Estando na circuncisão ou na incircuncisão? Não na circuncisão, mas na incircuncisão.
E recebeu o sinal da circuncisão, selo da justiça da fé quando estava na incircuncisão, para que fosse pai de todos os que crêem, estando eles também na incircuncisão; a fim de que também a justiça lhes seja imputada;
E fosse pai da circuncisão, daqueles que não somente são da circuncisão, mas que também andam nas pisadas daquela fé que teve nosso pai Abraão, que tivera na incircuncisão.
Porque a promessa de que havia de ser herdeiro do mundo não foi feita pela lei a Abraão, ou à sua posteridade, mas pela justiça da fé.
Porque, se os que são da lei são herdeiros, logo a fé é vã e a promessa é aniquilada.
Porque a lei opera a ira. Porque onde não há lei também não há transgressão.
Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós,
(Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem.
O qual, em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações.
EXÓRDIO
Há quem creia que Abraão e Paulo, por exemplo, estavam no mesmo patamar em relação ao conhecimento teológico, por isto, a compreensão de Paulo sobre os passos de fé, de Abraão, é sem dúvida uma característica bíblica sobre a Revelação progressiva das Escrituras.
Anunciado e compreendido por Abraão como seu provedor
יהוה ירה – Y^ehovah Yireh; n. pr. loc. O SENHOR proverá = “Javé proverá”
Por isto, quando a NeoEscritura revela Abraão como o Pai da Fé, mostra o quanto é expressiva esta História narrada nas Veterotestamentárias que é basal quanto ao entendimento de que a Bíblia explica a própria Bíblia e que toda a Escritura contém um Fio Dourado que une todos os pontos, que servem para acrescentar a Fé a todos os crentes em todas as Eras.
Esta situação rudimentar da Fé totalmente explícita na atitude de Abrão, nos primórdios valoriza muito mais a Fé Abraâmica, tendo em vista que ele foi um homem tirado para fora [símbolo da Igreja] para seguir a voz e encaminhamento de um Deus desconhecido de seu povo, com total confiança, como jamais houve e que lhe foi Provedor por toda a sua caminhada, deixando seu ponto de apoio e estado de conforto, junto a seu pai e se afastando, apenas acompanhado com seu sobrinho Lot, que mais tarde lhe foi afastado, pelas adversidades do conjunto de seus pastores, o que permitiu se apropriar ainda mais da sua relação com YAWEH JIREH.
Um Pagão Justificado pela Fé
Porque dizemos que a fé foi imputada como justiça a Abraão.
Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós,
Numa panorâmica de sua vida as Escrituras narram em seus dois volumes, AT e NT, como um homem pagão se tornará filho do Deus da Provisão e pai de uma multidão de homens que têm Fé, no mesmo Deus.
Abraão, como sabemos, fora criado numa tradição pagã, a qual adorava vários deuses e vinculava objetos a essas divindades. Isto é claramente evidenciado em Josué 24.2, onde o personagem que dá nome ao livro, ao discursar diante do povo, declara:
assim diz o Senhor Deus de Israel: Além do rio habitaram antigamente vossos pais, Terá, pai de Abraão e pai de Naor; e serviram a outros deuses”.
Resumindo, Abraão, assim como seus familiares, era um homem pagão; e, embora Deus o tivesse chamado para uma nova vivência religiosa, muitos elementos de sua antiga fé permaneceram entranhados em sua Cosmovisão.
Afinal de contas, por setenta e cinco anos - Genesis 12.4 - o Patriarca vivera naquela doutrina.
I – Um Pai de Nações
Um Pai dos que tem Fé   
                               "Portanto, é pela fé, para que seja segundo a graça, a fim de que a promessa seja firme a toda a posteridade, não somente à que é da lei, mas também à que é da fé que teve Abraão, o qual é pai de todos nós(Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem. O qual, em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações."
A Bíblia sempre utiliza a figura do Pai para indicar uma genealogia.
Da mesma forma usa a figura do Pai para indicar o provedor por excelência: Deus.
A Bíblia indica um homem como Pai de Multidões, e o mesmo homem como o Pai daqueles que têm Fé.
Ou seja, um homem, que antes da manifestação da plenitude já vivia pela Fé e por seu entendimento de que haveria provisão para ele, em qualquer lugar, pelo qual, ele passasse haveria provisão divina para ele e todos os seus.
Não está toda a terra diante de ti? Eia, pois, aparta-te de mim; e se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda.”
De tal forma que não teve nenhum pejo, em dar a preferência a seu sobrinho na escolha daquela terra que representava no inicio de sua caminhada e peregrinação o melhor “naco” de terra á vista, o que ocorreu num instante de crise entre sua família.
“E também Ló, que ia com Abrão, tinha rebanhos, gado e tendas. E não tinha capacidade a terra para poderem habitar juntos; ... E houve contenda entre os pastores do gado de Abrão e os pastores do gado de Ló; e os cananeus e os perizeus habitavam então na terra. E disse Abrão a Ló: Ora, não haja contenda entre mim e ti, e entre os meus pastores e os teus pastores, porque somos irmãos. Não está toda a terra diante de ti? Eia, pois, aparta-te de mim; e se escolheres a esquerda, irei para a direita; e se a direita escolheres, eu irei para a esquerda. E levantou Ló os seus olhos, e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada, antes do Senhor ter destruído Sodoma e Gomorra, e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito, quando se entra em Zoar. Então Ló escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o oriente, e apartaram-se um do outro. Habitou Abrão na terra de Canaã e Ló habitou nas cidades da campina, e armou as suas tendas até Sodoma.” Gênesis 13:5-12
Cananeus
“Passou Abrão pela terra até o lugar de Siquém, até o carvalho de More. Nesse tempo estavam os cananeus na terra.” (Gn 12:6)
Descendentes dos outros 3 filhos de Cam (Cuxe, Mizraim e Pute). Era povo cruel e dado a práticas religiosas absurdas. Em tempos de seca e de peste, sacrificavam vítimas humanas para apaziguar a ira de seus deuses. Moloque era adorado com sacrifícios humanos e prova de fogo.
Pode ser interpretada como: A palavra cananeus é a denominação para os povos que viviam na Terra Prometida na época da chegada de Abrão. Compunham sete nações distintas: os fenícios, os filisteus, os amonitas, os heteus, os jebuseus, os amorreus e os heveus - Dt 7:1
Heteus
Nos dias de Abraão, um grupo de heteus foram localizados no bairro de Hebron onde Abraão tinha comprado um local para sepultamento, que ele comprou deles o único pedaço de terra que possuiu: a sepultura de Sara.
Vêm de Hete, o segundo filho de Canaã. Também conhecidos como hititas.
A arqueologia mostra um povo culto, civilizado, porém guerreiro e forte.
Eram fortes e feios, de estatura média, pele amarelada, cabelos escuros, lisos e duros. Urias era heteu, mas Bate-Seba provavelmente não, porque era muito formosa.
Fereseus ou Perizeus (em hebraico: והפרזי)
No tempo de Abraão eles estavam entre os Cananeus na região de Betel - Gn 13:7; estavam localizados na região montanhosa de Judá e Efraim. Eram aldeões, viviam em aldeias, vagueavam. Esse povo estava sempre procurando um lugar diferente para habitar. Eram literalmente “invasores sem terra”.
Nos dias de Jacó havia uma colônia deste povo nas proximidades de Siquém -  Gn 34:30 - e logo após a morte de Josué, travaram batalha com as tribos de Judá e de Simeão - Jz 1:1-5.
Estes povos alocados nesta região são parte da provisão da possessão de terra a toda a sua descendência.
A primeira guerra registrada na história bíblica aconteceu entre quatro reis mesopotâmios e cinco reis cananeus - Gn 14
Os cananeus são descritos na Bíblia como grandes e poderosos, idólatras, supersticiosos, profanos e iníquos. A terra dos cananeus, Canaã, era a terra prometida para Abrão e os patriarcas como herança. No sentido mais amplo, o termo "cananeus" incluía todos os habitantes não israelitas da terra de Canaã.
A religião dos cananeus era politeísta, identificada com a natureza e seu objetivo era ensinar aos homens cooperarem e controlarem o ciclo das estações tendo em vista os interesses agrícolas.
O deus principal da religião Cananéia era El. Sua mulher era Asera e, também, casou-se com três irmãs suas. Dos setenta filhos que gerou, Baal foi o mais famoso.
E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra.
Vai ter que sentir que em qualquer lugar Deus era seu provedor e aumentador.
Ali ele vai ter que testemunhar do Deus que lhe falara e diante de um Rei-deus, o faraó.
Com este histórico de malignidade e ferocidade, cananéia, Deus executa seus planos mandando fome sobre a terra dos cananeus, para que Abraão, se afastasse dali, para mais experiências, na caminhada, ele desce ao Egito, onde havia fartura.
- não apenas para punir a iniqüidade dos cananeus, mas para o exercício da fé de Abraão. Agora, ele foi julgado se podia confiar em Deus que o trouxe para Canaã, para mantê-lo lá, e se alegrar nele como o Deus da sua salvação, quando a figueira não florescer.
“E desceu Abrão ao Egito”
- Veja como Deus dá sabedoria, que não devem faltar em um único local, quando havia escassez de outro, que, como membros do corpo grande, não podemos dizer um ao outro, eu não tenho necessidade de você.
E fez bem a Abrão por amor dela; e ele teve ovelhas, vacas, jumentos, servos e servas, jumentas e camelos.
16. fez bem a Abrão por causa dela Os presentes são apenas o que um chefe pastoral daria para outro.
18-20. Aqui está uma repreensão mais humilhante, e Abrão merecia. Deus não tinha interferido, ele poderia ter sido tentado a permanecer no Egito, e esquecer a promessa (Sl 105:13, 15). Muitas vezes, ainda que Deus repreende seu povo e lembrá-los através de inimigos que este mundo não é o seu descanso.
Provedor para Tudo
A mensagem de Deus a Abraão o convencerá de tal maneira, que ele não tardou em sair de sua parentela.
Assim partiu Abrão como o Senhor lhe tinha dito, e foi Ló com ele; e era Abrão da idade de setenta e cinco anos quando saiu de Harã. E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã.
Ele não foi desobediente à visão celestial. Sua obediência foi rápida e sem demora, submissa e sem discussões.
"O qual, em esperança, creu contra a esperança, tanto que ele tornou-se pai de muitas nações."A maior demonstração que ele pode dar foi crer que a provisão divina em sua vida seria sempre e total, em qualquer faceta de sua existência:
Família
Esposa
Filhos  - de uma esposa infértil e velha?
Noras
Amizades – reis e povos de terras vizinhas
Rebanhos
Riquezas
Dízimo de tudo
Terras
Local onde se instalaria
Seu solo prometido
“...Deus com ele, dizendo: ...serás o pai de muitas nações; ... por pai de muitas nações te tenho posto; E te farei frutificar grandissimamente, e de ti farei nações, e reis sairão de ti; ... por aliança perpétua, para te ser a ti por Deus, e à tua descendência depois de ti. E te darei ...a terra de tuas peregrinações, toda a terra de Canaã em perpétua possessão e ser-lhes-ei o seu Deus. ... Que todo o homem entre vós será circuncidado.” Gênesis 17:3-10
Descendência dos filhos da Fé
Usar a figura de Abraão neste estudo bíblico é uma questão da apresentação do mesmo, nas Escrituras, como o exemplo acabado do que tem Fé. É o Pai de todos quantos têm Fé.
Ele foi o primeiro a entender que deveria viver unicamente crendo no suprimento de Deus.
Tudo lhe seria dado pelo Deus a quem denominara, após a sua manifestação em Moriá, como YHWH JIREH.
Como conhecer a provisão de Deus. Abraão a conheceu em meio a um teste definitivo para provar a sua Fé. Nem o lugar para sacrifício de seu filho, ele perguntou a Deus, para o serviço que lhe fora solicitado.
“E aconteceu depois destas coisas, que provou Deus a Abraão, e disse-lhe: Abraão! ...Toma agora o teu filho, o teu único filho, Isaque, a quem amas, e vai-te à terra de Moriá, e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas, que eu te direi. Então se levantou Abraão pela manhã de madrugada, ... tomou consigo ... Isaque seu filho; e cortou lenha para o holocausto, e levantou-se, e foi ao lugar que Deus lhe dissera.
“Ao terceiro dia levantou Abraão os seus olhos, e viu o lugar de longe.”
O LUGAR DA PROVISÃO É O LUGAR DO SACRIFÍCIO.
UM PROVEDOR UNIVERSAL
A prova de ida ao encontro da provisão tem um período, para meditar e não voltar a trás. Mostra a determinação do Pai da Fé.
Ele não hesitou em nenhum momento, crendo na provisão. O que lhe provera um Filho, ou seja, o provedor da Vida lhe daria a provisão, até mesmo das cinzas do seu filho, Isaque.
“... E tomou Abraão a lenha do holocausto, e pô-la sobre Isaque seu filho; e ele tomou o fogo e o cutelo na sua mão, e foram ... Meu pai ... mas onde está o cordeiro para o holocausto? E disse Abraão: Deus proverá para si o cordeiro para o holocausto, meu filho. E chegaram ao lugar que Deus lhe dissera, e edificou Abraão ali um altar e pôs em ordem a lenha, e amarrou a Isaque seu filho ...E estendeu Abraão a sua mão ... para imolar o seu filho;...agora sei que temes a Deus... levantou Abraão os seus olhos e olhou; e eis um carneiro detrás dele, travado pelos seus chifres...E chamou Abraão o nome daquele lugar: o Senhor proverá; donde se diz até ao dia de hoje: No monte do Senhor se proverá.” Gênesis 22:1-14
A visão de Deus como Provedor Universal é uma das características afirmativas da Fé, a pistis – por ela se tem a certeza da total Provisão, por aqueles que viveram e estão na Galeria da Fé, dos quais Abraão é o Pai e nosso pai, nós da Igreja e crentes em Jesus Cristo, a maior Provisão Universal, disponível, a todos os Homens e nós que cremos sem ver, cremos inteiramente por Fé.
πιστις - pistis; n. f. convicção da verdade de algo, fé; relativo a Deus com a convicção de que Deus existe e é o criador e governador de todas as coisas, o Provedor e doador da salvação eterna em Cristo; no NT, de uma convicção ou crença que diz respeito ao relacionamento do homem com Deus e com as coisas divinas, geralmente com a idéia inclusa de confiança e fervor santo nascido da fé e unido com ela;
Provisão é algo que se torna necessário, para aqueles que vivem esperando e lançando em Deus todas as suas necessidades.
Não é uma forma fatalista ou de escapismo do exercício das atividades determinadas por Deus aos homens: “lavorar”, isto é trabalhar para obter seu sustento, “quem não trabalhar, também não coma”, esta é a assertiva bíblica, mas, exemplificando:
“Ora, aquele que dá a semente ao que semeia, também vos dê pão para comer, e multiplique a vossa sementeira, e aumente os frutos da vossa justiça;” 2 Coríntios 9:10
- mesmo o lavrador, que trabalha de sol a sol, depende, quase exclusivamente, das chuvas e do sol, para que a semente lançada no solo, venha germinar, pois se estas duas premissas não ocorrerem, em vão ele trabalha.
“Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos.” Mateus 5:45
Aliás, a própria semente é provisão dada pelo Criador, ao que se propõe semear, portanto tudo vem de Deus. Olhando sob o prisma que Deus é o Soberano Provedor do Mundo.
Sua soberania é que garante aos homens em todos os lugares a subsistência de toda a Humanidade.
“Nem tampouco é servido por mãos de homens, como que necessitando de alguma coisa; pois ele mesmo é quem dá a todos a vida, e a respiração, e todas as coisasAtos 17:25
Como exemplo, Ele trabalha para prover tudo para os homens, e não tolera o que não trabalha, embora todas as coisas estejam a disposição de todos os homens.
“Porque, quando ainda estávamos convosco, vos mandamos isto, que, se alguém não quiser trabalhar, não coma também. Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando, antes fazendo coisas vãs. A esses tais, porém, mandamos, e exortamos por nosso Senhor Jesus Cristo, que, trabalhando com sossego, comam o seu próprio pão.” 2 Tessalonicenses 3:10-12
Como, dissemos ao longo deste Estudo, Deus é um Deus único em sua tarefa de Criador. Ele graciosamente proveu condições para todos os homens viverem independente de crerem ou não em seu nome.
“Então louvei eu a alegria, porquanto para o homem nada há melhor debaixo do sol do que comer, beber e alegrar-se; porque isso o acompanhará no seu trabalho nos dias da sua vida que Deus lhe dá debaixo do sol.” Eclesiastes 8:15
Mas, como Bom Provedor ele proveu meio de ‘religare’ através de seu Filho Jesus o Cristo da humanidade, o Salvador que quem provém todas as coisas:
“Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; tudo foi criado por ele e para ele. E ele é antes de todas as coisas, e todas as coisas subsistem por ele.E ele é a cabeça do corpo, da igreja” Colossenses 1:14-18
Entendendo a Soberania divina Abraão se movia segundo a direção de Deus. Deus falava diretamente com ele e ele entendia e atendia sua voz. Um exemplo pra nós que devemos fazer tudo na direção de Deus, pois onde nós formos haverá provisão divina preparada para nós.
Mesmo que haja “fome” na terra, que vivemos, nós estaremos sendo alimentados de forma sobrenatural, pois seremos levados por Deus, através a nossa Fé, ao encontro do local onde está a Provisão de Deus. Esta é uma lição para nós: Deus nos encaminha todos os caminhos, se crermos na sua Soberania, em nossa vida. Mesmo que seja no Egito Ele nos fará buscar provisão, assim como ocorreu com Jesus e com Abraão.
E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao Senhor, e invocou o nome do Senhor. Depois caminhou Abrão dali, seguindo ainda para o lado do sul. E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto a fome era grande na terra.
O destaque na cultura nativa da família de Abraão se destaca em alguns detalhes, que ele continuou usando, como usar árvores como ponto basal de sua importância de referencial.
Carvalho de Moré – vide, abaixoLugar de encontrar com o Deus da Provisão. Ele tinha que olhar para cima, ao longo das alturas e envergadora dos carvalhos.
E passou Abrão por aquela terra até ao lugar de Siquém, até ao carvalho de Moré; e estavam então os cananeus na terra. E apareceu o Senhor a Abrão, e disse: À tua descendência darei esta terra. E edificou ali um altar ao Senhor, que lhe aparecera.
Abraão, pouco ou nada conhecia a respeito de Yahweh; tudo o que ele fazia era baseado no conhecimento teogônico que o paganismo lhe dera.
E tomou Abrão a Sarai, sua mulher, e a Ló, filho de seu irmão, e todos os bens que haviam adquirido, e as almas que lhe acresceram em Harã; e saíram para irem à terra de Canaã; e chegaram à terra de Canaã.
Ou seja, os prosélitos que tinham feito, e convenceu a adorar o Deus verdadeiro, e ir com eles para Canaã, as almas que (como um dos rabinos que expressou) tinham reunidas sob as asas da Majestade divina.
Evangelizando.
A mensagem já fora propagada, sob o anuncio de que Deus seria o provedor de todos, Abraão creu tanto que teve que compartilhar a sua Fé com os que o seguiam e outros que ele encontrava, de tal forma que se tornou um evangelista e tinha em seus termos uma verdadeira Congregação e vemos que até a escrava de sua esposa Sara entendia a Voz de Deus, em meio a suas necessidades, e nesta atmosfera de Fé que guiava a caravana de Abraão todos podiam ouvir a sua voz e pedir direção, como o “damasceno” de Abraão, que pediu uma provisão para cumprir a tarefa de que lhe fora confiada, em buscar uma noiva para o filho de seu patrão, dizendo, em oração: “dá-me um bom encontro!” Gênesis 24.12.
Damasceno – adjetivo; substantivo masculino; relativo a Damasco (Síria) ou o que é seu natural ou habitante; damasquino; arql.vb. relativo a ou habitante de Damasco, antiga capital da Celessíria.
Um Local de Adoração!
Continuando: Carvalho do abrigo do Pai da Fé
Quando Deus o chama, a primeira coisa que ele faz é procurar um Carvalho - Genesis 12.6,7.
Na realidade ele encontrou uma planície com um vasto carvalhal que tomara o nome de um personagem, talvez um guerreiro – Moré – e ali havia sombra e pasto para suas tendas e gado.
            Siquém, um vale pastoral então desocupado  - veja Gênesis 33:18.
 A Planície de Moré - podemos sutilizar esta expressão, tanto quanto a expressão  "Carvalho de Moré”, muito comum na Palestina, notável por suas variedades conhecidas, e sua folhagem verde escuro.
É provável que em Moré houvesse um bosque dessas árvores, cuja sombra convidativa levou Abraão a escolhê-lo para um acampamento.
Era comum esta referencia em sua cultura, introjetada em sua consciência, como moídos de nós agimos sob certos valores aculturados, em nossa vida familiar e social, desde que não conflitam com a nossa Fé.
Era uma evidencia cultural comum em todo o antigo Oriente Próximo, a saber: a atribuição de um lugar cúltico sob algumas árvores, a árvore usada com maior freqüência para fins religiosos, conforme explica Eliade (2008), era o carvalho, virou lugar de culto.
Uma casa de culto debaixo do Carvalho – simbolismo da força da Fé de Abraão, que veio abrigar multidões em sua sombra, através da Fé em Cristo.
Abrão fez uma profissão aberta de sua religião, estabeleceu o culto do verdadeiro Deus, e declarou a sua fé na promessa.
O que mostra que devido a sua Fé Du’s fala com Abraão no Carvalho de Moré.
Há sempre um lugar onde Deus, respeitando tua cultura, vai falara, ali, com você.
Mantendo princípios da Fé
A forma de adoração em Moré passou a ser uma liturgia que acompanhou Abrão e sua descendência.
Lugar de culto e liturgia, das quais, Deus se agrada não devem ser mudadas, como temos visto em nossos dias.
Muitos se movem sem a direção de Deus. É importante ressaltar que Abraão deixou um legado a toda nação de Israel que aprendeu que andando no deserto necessitava de acampar e levantar acampamento só no momento que a Coluna de Fogo ou a Nuvem se movimentassem, e assim eles tinham certeza de que ao caminhar haveria provisão, onde quer que chegassem, sem que plantassem ou colhessem, em pleno deserto!
E moveu-se dali para a montanha do lado oriental de Betel, e armou a sua tenda, tendo Betel ao ocidente, e Ai ao oriente; e edificou ali um altar ao SENHOR, e invocou o nome do SENHOR.
8. E edificou ali um altar ao Senhor que lhe apareceu, e invocou o nome do Senhor –
Consideremos isto:
Como fez em cima de uma ocasião especial, quando Deus lhe apareceu, em seguida, e edificou ali um altar, com uma demonstração demarcando o local onde Deus que lhe apareceu, como gratidão erigindo um altar: assim, ele reconheceu com gratidão a bondade de Deus, para ele para fazê-lo que a visita e a promessa graciosa: e, assim, ele testemunhou sua confiança e dependência a palavra que Deus havia falado.
Isto passou a ser sua prática constante, onde quer que fosse mandado peregrinar por Deus.
Assim como Abraão foi para Canaã tem, embora ele não passava de um estranho e estrangeiro lá, mas ele criou e manteve, a adoração de Deus em sua família, e sempre que tinha uma tenda, Deus tinha um altar e que um altar santificado pela oração.
- “edificou ali um altar ao Senhor” – Gênesis 13.18
O carvalho marcava o local de culto; deus entendeu a posição de Abraão e ali se manifestava a ele. Quando necessitava de uma orientação de Deus, o patriarca, imediatamente, procura o “lugar - māqôm” de Siquém, o carvalho de MoréGênesis 12.6
Isto porque, na Fé rudimentar de  Abraão, se Deus disse que iria lhe mostrar a Terra Prometida, ali era o lugar de encontro dele com YHWH, para que a voz do Senhor fosse devidamente ouvida.
O mais interessante, é que, após chegar ao local do carvalho, Deus aparece a ele e lhe transmite uma mensagem. Isto é, o Senhor respeita a cultura de Abraão, e vai ao seu encontro de acordo com sua crença. Deus nos respeita quando somos iniciantes nos caminhos da Fé em Cristo, até crescermos e nos tornarmos, como Samuel, orientados a ouvir a Sua Voz em qualquer lugar.
Como o salmista e Jacó, Abraão teve a certeza que ali era um lugar especial, de tal forma que, além de buscar o carvalho de Moré, com o fito de ouvir a voz do Senhor, Abraão decidiu residir no meio dos carvalhos de Manre (também conhecido como Mambré).
Histórico
Josefo (2005), inclusive, ressalta que, no período em que morou junto aos carvalhos, Abraão orava incessantemente, mostrando que o patriarca  vinculava o local e a árvore (na sua rudimentalidade, da Revelação de YHWH) ao Deus que lhe falara. Mesmo assim, naquele lugar ao qual o homem, ingenuamente, atribuía sacralidade, Deus foi ao encontro de Abraão (Gn 18.1).
Na Bíblia o pé de carvalho é o símbolo da força: ‘(o amorreu) era forte como os carvalhos’ (Amós 2.9).
Provisão vinda dos Carvalhos – tipologia
Existem na Síria cerca de nove espécies de carvalho, e quase outras tantas variedades - Isaías 6.13; 44.14; Oséias 4.13; Amós 2.9.
Há na Palestina carvalhos solitários, não cortados para fazer uso da lenha, que atingem grandes alturas.
A relação do Carvalho com a cor vermelha
Sangue de Cristo – Provisão de salvação
Em Israel, encontra-se a espécie que a Botânica classifica como Quercus Calliprinus (quercus: carvalho em latim). Dela, os israelitas extraíam o tanino, usado para curtir o couro (Atos 10.6).
O Carvalho Quermes serve de fonte de alimento para um inseto também conhecido como Quermes, que por meio de seu bico longo extrai a sua seiva da árvore e chega a morrer no processo de alimentação. Dos corpos secos deles se produz o corante vermelho. Referências bíblicas sobre o corante: Ezequiel 23.14; Jeremias 22.14.
Esta cor, em hebraico "shani" e "shani tolaat", é traduzida ao português como escarlate, vermelho. Em 2 Crônicas 2.7 ela é vertida ao nosso idioma como carmesim.
Variedades e fatos – Carvalho
s fontes rabínicas dizem que o local é o mesmo que Beth Ilanim ou Botnah, um dos locais de comércio mais importantes da Judeia, onde durante muito tempo se realizavam grandes feiras de comércio. Ficaria a cerca de 4 quilômetros de Hebron, não muito longe de Jerusalém.
Manre e Locais da história de Abraão
Não é sem razão que a Bíblia cita em especial, o Carvalho de Manre.
Abraão habitava nos carvalhais de Manre;
Às vezes a Bíblia identifica o local com a cidade de Hebron, como em Gênesis 23,19:
Abraão enterrou Sara, sua mulher, na gruta do campo de Macpela, defronte de Mambré, que é Hebron, na terra de Canaã.
A tradição, do primeiro cristianismo, identifica Ramet el-Halil com o local mencionado no Antigo Testamento.
Em Siquém, Jacó usou um pé de carvalho como esconderijo;
Rebeca foi sepultada debaixo de uma dessas árvores - Gênesis 13.18; 35.4; 35.8.
Josué erigiu uma grande pedra aproveitando-se da sombra do carvalho;
O Anjo do Senhor assentou-se debaixo desta árvore que estava em Ofra;
Absalão ficou preso pela cabeça em seus galhos;
Os remos dos barcos da Síria eram feitos da madeira do carvalho - Josué 24.26; Juízes 6.11,19; 2 Samuel 18.9; Isaías 44.14; Ezequiel 6.13; 27.6: “como o carvalho, e como a azinheira, que depois de se desfolharem, ainda ficam firmes, assim a santa semente será a firmeza dela.” - Isaías 6:13
Arqueologia
Josephus diz que existia um carvalho em Mamre que é tão antigo quanto o próprio universo. Judeus, cristãos e também pagãos ofereciam sacrifícios no local.
Segundo a tradição, no local foi construída uma basílica por Constantino, que inclusive aparece no Mapa de Madaba. Arqueólogos alemães cavaram o local entre os anos 1926 e 1928. A Basílica construída por Constantino preservou a árvore e foi dedicada a São Jorge.
A Árvore parece ter sido destruída pelos próprios peregrinos, que tiravam pedaços delas como lembrança. Foi deixado somente um toco, que teria sobrevivido até o século VII.
Existe um testemunho muito importante, do Século V, que conta como era o lugar. Esse testemunho foi recolhido no Historia Ecclesiastica, Livro II, 4-11:
O lugar hoje é chamado Terebinto, e está situado a uma distância de quinze estádios de Hebron. Cada ano, um festival muito famoso é realizada no verão, por pessoas da área mas também por gente de outras lugares da Palestina e por fenícios e árabes. Muito muitos vão lá por causa de negócios, alguns para vender e alguns para comprar.
A festa é celebrada por um grupo grande de judeus, uma vez que eles consideram Abraão como seu antepassado, por pagãos, pois anjos apareceram no lugar, por cristãos, que acreditam que Jesus apareceu ali. Cada um venera esse local segundo sua própria religião.
O local, no século XIX, foi comprado pelos ortodoxos russos, que construíram um mosteiro próximo.  A foto ao lado é da árvore como se via em 1912. O tronco teria morrido em 1996, mas se diz que em 1998 apareceu um broto. Mas é provável que nada mais reste da árvore sob a qual os anjos (ou o próprio Senhor) encontraram o Patriarca Abraão.
A provisão de Deus é algo proveniente da sua Fidelidade, impossível de ser quebrada. Independente, do homem, crer ou não N’Ele todos dependem de sua provisão e sustentação pelo Filho e pelo Espírito Santo.
Fonte:
O Porquê Deus Mandou Destruir as Nações Cananeias? Cafetorah; Por: Márcia Hochmann
Arqueologia e geografia sobre o carvalho de Moré
O Carvalho - uma árvore muito citada na Bíblia Sagrada
Flowers of Israel
Povos que Habitavam a Terra Prometida; Marcos Teixeira
Santo Vivo - OS POVOS DE CANAÃ
Apontamentos Teológicos

O CARVALHO NA BÍBLIA; pastor Cremilson

Nenhum comentário:

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget

Geografia Bíblica-Texto-Local!

Para quem estuda a Arqueologia - Mapas do Antigo Testamento e do Novo Testamento.
Viaje à Terra Santa pelo seu PC, ou qualquer lugar citado na Bíblia! Com ela você pode através do texto que está lendo ter acesso ao local onde ocorreu o fato bíblico! Forma gratuita, é só clicar e acessar:

Ser Solidário

Seja solidário
"Um dia vieram e levaram meu vizinho que era judeu. Como não sou judeu, não me incomodei. No dia seguinte, vieram e levaram meu outro vizinho que era comunista. Como não sou comunista, não me incomodei . No terceiro dia vieram e levaram meu vizinho católico. Como não sou católico, não me incomodei. No quarto dia, vieram e me levaram; já não havia mais ninguém para reclamar..."
Martin Niemöller, 1933

Doutrina


O Credo da Assembléia de Deus
A declaração de fé da Igreja Evangélica Assembléia de Deus não se fundamenta na teologia liberal, mas no conservadorismo protestante que afirma entre outras verdades principais, a crença em:
1)Em um só Deus, eternamente subsistente em três pessoas: o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Dt 6.4; Mt 28.19; Mc 12.29).
Pacto de Lausanne – Suíça
Teses de Martinho Lutero
95 Teses de Lutero
Clique e acesse todo texto.

Ensino Dominical